“Instante”, Carolina Celas na Objectos Misturados

“Instante” é sobre o dia a dia, sobre momentos que nada têm de especial mas que tudo têm de especial.

/ No comments

“Instante”, Carolina Celas na Objectos Misturados

“Instante” é sobre o dia a dia, sobre momentos que nada têm de especial mas que tudo têm de especial.

/ No comments

“A sabedoria popular onde afinal a moral é outra!”, estufa design (Cecília Lages, Maria João Ruivo e Raquel Pais) no DINAMO10

Um provérbio é sempre ordinário, já que faz parte do que é comum, quotidiano, banal, e não extraordinário. Sintetiza um conceito a respeito da realidade ou uma regra social ou moral, integrando algum tipo de alegoria ou ensinamento.

/ No comments

“A sabedoria popular onde afinal a moral é outra!”, estufa design (Cecília Lages, Maria João Ruivo e Raquel Pais) no DINAMO10

Um provérbio é sempre ordinário, já que faz parte do que é comum, quotidiano, banal, e não extraordinário. Sintetiza um conceito a respeito da realidade ou uma regra social ou moral, integrando algum tipo de alegoria ou ensinamento.

/ No comments

“Viana do Castelo um olhar”, fotografias de Rodrigo Cabral na Dona Emília Galeria de Arte

Viana do Castelo um olhar Não sendo natural de Viana, desde muito novo ouvia histórias fantásticas contadas pela Micas, a minha Avó.

/ No comments

“Viana do Castelo um olhar”, fotografias de Rodrigo Cabral na Dona Emília Galeria de Arte

Viana do Castelo um olhar Não sendo natural de Viana, desde muito novo ouvia histórias fantásticas contadas pela Micas, a minha Avó.

/ No comments

“Smeda Rmeda – A Moroccan Cinderella”, Noa Snir na Objectos Misturados

Illustrations to Smeda Rmeda, a Judeo-Moroccan fairytale; an intriguing and widely unknown version of the famous Cinderella story.

/ No comments

“Smeda Rmeda – A Moroccan Cinderella”, Noa Snir na Objectos Misturados

Illustrations to Smeda Rmeda, a Judeo-Moroccan fairytale; an intriguing and widely unknown version of the famous Cinderella story.

/ No comments

Phole no Atelier de Escultura Iva Viana

O PHOLE tem como fundamento principal tornar o instrumento um respeitado objeto de reprodução sonora.

/ No comments

Phole no Atelier de Escultura Iva Viana

O PHOLE tem como fundamento principal tornar o instrumento um respeitado objeto de reprodução sonora.

/ No comments

“agora que a noite acabou”, Filipe Silva na Objectos Misturados

Lá em cima já não há sentinelas…   Há tesouros nocturnos à deriva, segredos guardados em metal e pedra.   Como um vocabulário de formas  capaz de construir sonhos e universos.    Agora já sabemos. Agora que a noite acabou…

/ No comments

“agora que a noite acabou”, Filipe Silva na Objectos Misturados

Lá em cima já não há sentinelas…   Há tesouros nocturnos à deriva, segredos guardados em metal e pedra.   Como um vocabulário de formas  capaz de construir sonhos e universos.    Agora já sabemos. Agora que a noite acabou…

/ No comments

“Recolhas”, Alexandra Rafael no DINAMO10

Gavetas transformadas em caixas de luz, transportam uma dicotomia entre interior e exterior, o aberto e o fechado. O fechado como interpretação simbólica do que guarda, do que mantém as lembranças e as memórias preservadas no tempo. O aberto como

/ No comments

“Recolhas”, Alexandra Rafael no DINAMO10

Gavetas transformadas em caixas de luz, transportam uma dicotomia entre interior e exterior, o aberto e o fechado. O fechado como interpretação simbólica do que guarda, do que mantém as lembranças e as memórias preservadas no tempo. O aberto como

/ No comments

“Monstros malvadinhos e outras criaturas”, exposição de Bafo de Peixe/Bruno Rajão no Mercado na Loja

Bafo de peixe, ao contrário do que pode indiciar é pseudónimo de um sujeito que, embora já martirizado por algumas caries, lava os dentes com a regularidade recomendada.

/ No comments

“Monstros malvadinhos e outras criaturas”, exposição de Bafo de Peixe/Bruno Rajão no Mercado na Loja

Bafo de peixe, ao contrário do que pode indiciar é pseudónimo de um sujeito que, embora já martirizado por algumas caries, lava os dentes com a regularidade recomendada.

/ No comments

Projeção do Concerto Estilhaços Cinemáticos no Atelier de Escultura Iva Viana

Estilhaços Cinemáticos – Projeção de vídeo Projeção do Concerto Estilhaços Cinemáticos, no Atelier Iva Viana. Este evento está inserido no Inauguro, que nesta edição colabora com a AoNorte, no XX Encontros de Cinema de Viana do Castelo.

/ No comments

Projeção do Concerto Estilhaços Cinemáticos no Atelier de Escultura Iva Viana

Estilhaços Cinemáticos – Projeção de vídeo Projeção do Concerto Estilhaços Cinemáticos, no Atelier Iva Viana. Este evento está inserido no Inauguro, que nesta edição colabora com a AoNorte, no XX Encontros de Cinema de Viana do Castelo.

/ No comments

“Sétimo Selo”, ilustrações de Jorge Nesbitt no Viana Welcome Center

SINOPSE O SÉTIMO SELO de Igmar Bergman Antonius Block regressa das cruzadas e encontra sua vila destruída pela peste negra. Depois disso passa a reflectir sobre o sentido da vida, mas a Morte (Bengt Ekerot) aparece para levá-lo.

/ No comments

“Sétimo Selo”, ilustrações de Jorge Nesbitt no Viana Welcome Center

SINOPSE O SÉTIMO SELO de Igmar Bergman Antonius Block regressa das cruzadas e encontra sua vila destruída pela peste negra. Depois disso passa a reflectir sobre o sentido da vida, mas a Morte (Bengt Ekerot) aparece para levá-lo.

/ No comments

“Ângulo Morto”, ilustrações de João Fazenda no Mercado na Loja

SINOPSE A MULHER QUE VIVEU DUAS VEZES de Alfred Hitchcock O ex-polícia John “Scottie” Ferguson (James Stewart) desde que viu morrer um colega polícia após cair do cimo de um edifício, durante uma perseguição nocturna pelos telhados de São Francisco, nunca

/ No comments

“Ângulo Morto”, ilustrações de João Fazenda no Mercado na Loja

SINOPSE A MULHER QUE VIVEU DUAS VEZES de Alfred Hitchcock O ex-polícia John “Scottie” Ferguson (James Stewart) desde que viu morrer um colega polícia após cair do cimo de um edifício, durante uma perseguição nocturna pelos telhados de São Francisco, nunca

/ No comments

“Fitz”, ilustrações de Filipe Abranches na Dona Emília Galeria de Arte

SINOPSE FITZCARRALDO de Werner Herzog No final do século XIX, no apogeu do ciclo da borracha, o aventureiro Brian Sweeney “Fitzcarraldo” Fitzgerald, fã do tenor italiano Enrique Caruso, sonha em construir um teatro de ópera na Amazônia peruana.

/ No comments

“Fitz”, ilustrações de Filipe Abranches na Dona Emília Galeria de Arte

SINOPSE FITZCARRALDO de Werner Herzog No final do século XIX, no apogeu do ciclo da borracha, o aventureiro Brian Sweeney “Fitzcarraldo” Fitzgerald, fã do tenor italiano Enrique Caruso, sonha em construir um teatro de ópera na Amazônia peruana.

/ No comments